Conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan. FONTE: APNEWS

WASHINGTON (AP) – A Casa Branca disse na segunda-feira que os EUA podem estabelecer uma força-tarefa naval para escoltar navios comerciais no Mar Vermelho, um dia depois de três navios terem sido atingidos por mísseis disparados por Houthis apoiados pelo Irã no Iêmen.

Thank you for reading this post, don't forget to subscribe!

O conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, disse que os EUA têm mantido conversas ativas com aliados sobre a criação de escoltas, embora nada esteja finalizado, descrevendo-o como uma resposta “natural” a esse tipo de incidente.

No domingo, mísseis balísticos disparados pelos rebeldes Houthi do Iémen atingiram três navios comerciais, enquanto um navio de guerra dos EUA abateu três drones em legítima defesa durante um ataque que durou uma hora, disseram os militares dos EUA. Marcou uma escalada numa série de ataques marítimos no Médio Oriente ligados à guerra Israel-Hamas .

“Estamos em negociações com outros países sobre uma espécie de força-tarefa marítima envolvendo navios de nações parceiras ao lado dos Estados Unidos para garantir uma passagem segura”, disse Sullivan aos repórteres. Ele observou que forças-tarefa semelhantes são usadas para proteger a navegação comercial em outros lugares, inclusive na costa da Somália.

Os ataques Houthi colocam em perigo o tráfego numa das rotas marítimas mais vitais do mundo e, com ele, o comércio global em geral. A Administração de Informação sobre Energia dos EUA afirma que 8,8 milhões de barris de petróleo por dia são transportados através do Mar Vermelho e do estreito de Bab al-Mandab, ao alcance dos Houthis, tornando-o um dos pontos de estrangulamento mais cruciais do comércio mundial. Os navios transportam petróleo e gás natural do Golfo para a Europa, Estados Unidos e China.

O Mar Vermelho e Bab al-Mandab também fazem parte de uma rota vital para o transporte comercial em geral, transportando anualmente milhões de toneladas de produtos agrícolas e outros bens para os mercados.

Sullivan disse que embora os Houthis tenham “o dedo no gatilho”, os patrocinadores iranianos do grupo foram os responsáveis ​​finais.

“As armas aqui estão sendo fornecidas pelo Irã”, disse Sullivan. “Acreditamos que o Irã é o principal responsável por isso.”

Sullivan disse que os EUA não acreditam que todos os três navios atingidos pelos Houthis tivessem ligações com Israel, dizendo: “Isso mostra o nível de imprudência com que os Houthis estão operando”.

FONTE: APNEWS

CRÉDITOS: Os redatores da AP Jon Gambrell e Ellen Knickmeyer contribuíram com reportagens.

Enable Notifications OK No thanks