Foto: Agência Brasil

Os intensos temporais que vêm assolando o Rio Grande do Sul desde segunda-feira (29) já cobraram um trágico pedágio humano, com 10 mortes confirmadas e 21 pessoas ainda desaparecidas. A situação, conforme relata a Defesa Civil estadual em seu balanço divulgado nesta manhã de quarta-feira (1º), afetou diretamente 104 municípios, resultando em 1.431 pessoas desalojadas e outras 1.145 buscando refúgio em abrigos.

Thank you for reading this post, don't forget to subscribe!

O foco das autoridades estaduais é o resgate das famílias que se encontram em situação de risco, muitas delas ilhadas em meio às enchentes. O governador Eduardo Leite, em contato telefônico com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, assegurou o apoio federal nas operações de socorro. Em uma declaração nas redes sociais, Leite enfatizou os esforços contínuos para localizar os desaparecidos e garantir a segurança das comunidades, mesmo diante da previsão de mais chuvas nos próximos dias.

A mobilização para o resgate ganhou um importante reforço com a atuação da Força Aérea Brasileira (FAB), que disponibilizou dois helicópteros para operações de salvamento na região de Santa Maria. Em uma dessas ações, uma família foi resgatada de uma casa ameaçada de desabamento, demonstrando a urgência e a complexidade das operações em curso.

Segundo a previsão da Defesa Civil, o volume de chuvas continuará elevado até sexta-feira (3), prolongando a situação de emergência. O impacto dos temporais vai além das perdas humanas, afetando infraestruturas vitais, como estradas bloqueadas, escolas danificadas e a suspensão das aulas. Municípios também enfrentam dificuldades no abastecimento de água, energia elétrica e comunicações.

Essa não é a primeira vez que o Rio Grande do Sul enfrenta eventos climáticos extremos. No segundo semestre do ano anterior, enchentes causadas por fortes chuvas resultaram no transbordamento do Rio Taquari, deixando um rastro de destruição e cerca de 50 mortes. A gravidade da situação atual é ressaltada pelo governo estadual, que alerta para o risco de alagamentos nos vales do Caí e Taquari, além da possibilidade de transbordamento dos rios Jacuí, Guaíba e Sinos, na região metropolitana de Porto Alegre.

Diante desse cenário preocupante, medidas preventivas estão sendo adotadas em diversas áreas, inclusive no esporte. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), atendendo à sugestão do governo estadual, adiou o jogo entre Internacional e Juventude, marcado para esta noite, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, pela Copa do Brasil. A decisão visa evitar riscos à infraestrutura e garantir a segurança dos torcedores diante das condições meteorológicas adversas.

Enquanto os esforços de resgate e reconstrução continuam, a população do Rio Grande do Sul permanece em alerta máximo, enfrentando as adversidades impostas pela natureza e buscando apoio mútuo para superar mais esse desafio.

Fonte: Agência Brasil

Avatar de JN LIBERTTI

Deixe seu comentário: